WhatsApp retoma ‘status antigo’, mas mantém imagens que somem em versão de testes

whatsappstatusandroid

O WhatsApp liberou nesta quinta-feira (9) uma versão para testes que traz de volta o status antigo, que permite a usuários darem recados a seus contatos sem precisar enviar mensagens. O retorno não exclui o Status, novo recurso implantado no fim de fevereiro que permite compartilhar fotos, vídeos e GIFs que somem em 24 horas, uma função nascida no Snapchat e transposta pelo Facebook para o app.

O recurso foi reintroduzido na versão beta 2.17.95 do bate-papo, disponível apenas para o sistema operacional Android e aos usuários que se dispõem a testar as novidades do aplicativo antes que seja liberado a todos na Google Play (veja abaixo como virar um testador).

Nessa versão, o usuário tem de seguir outro caminho para conseguir inserir um status antigo. Tem de acessar o menu principal, que fica no topo do app, à direita. A partir daí selecionar Configurações > Sua foto de perfil > About and phone number.

Há a opção de escolher um recado pronto, como “disponível”, “ocupado”, “bateria prestes a acabar” ou “só chamadas urgentes”. Mas é possível escrever um aviso original ao selecionar “Definido como”. O tamanho desse texto é limitado a 139 caracteres

Antes de o WhatsApp transformar o status em uma aba para compartilhar imagens que se autodestroem, esse recurso era usado não apenas para transmitir recados, mas também para dar indiretas.

A exclusão da possibilidade de dar cutucadas e a própria inclusão de uma ferramenta bastante similar à de outro aplicativo gerou uma onda de reclamações, críticas e piadas na internet.

Para receber as atualizações das versões beta no Android:

  • Vá à página do aplicativo na Google Play;
  • Escolha a opção “tornar-se testador”;
  • Atualize o aplicativo sempre que uma nova versão de teste for liberada.G1

Estudantes criam veículo elétrico que pode ser controlado por celular em Feira de Santana

Dois estudantes de Feira de Santana, cidade a cerca de 100 km de Salvador, criaram um veículo elétrico que não polui o ambiente e pode ser controlado pelo celular.

O “carro” chamado de Veículo Elétrico Compartilhado (VEC) foi uma ideia dos estudantes Carlos Hermon e Robenilson Santos, alunos do curso técnico de mecatrônica. A motivação ocorreu a partir da Olimpíada do Conhecimento, uma competição de educação profissional e tecnológica promovida pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) com o apoio de empresas e organizações.

O VEC é um veículo pequeno, no qual só cabe uma pessoa, mas possui todos os objetos que se encontram nos carros comuns, como retrovisor e farol. Todos os controles do VEC ficam em um painel eletrônico no volante, onde é possível ver informações sobre temperatura, bateria e o velocímetro. Além disso, os estudantes associaram o veículo a um aplicativo e é assim que fica possível controlar o carro com o celular.

“Nós conseguimos baratear o projeto e usamos peças de motocicleta. Tem a questão que ele é ecologicamente correto, zero poluente. Ele também é totalmente elétrico, e se ocupante quiser fazer uma atividade física, ele pode pedalar”, explicou Hermon.

O outro estudante que participou da preparação do veículo, Robenilson Santos, disse que se sente realizado ao ver um projeto que após produzido, conseguiu chegar a etapa final.

O projeto dos estudantes foi elaborado junto com o professor e orientador Edeílson Santos, e durou três meses para ser colocado em prática. O VEC fez tanto sucesso que os jovens foram convidados para serem embaixadores da Olimpíada.

“Esse projeto é muito relevante por conta da questão ecológica, do apelo ambiental que ele tem”, explicou o professor Edeílson.

Fonte: G1


Nova TV da LG é finíssima e gruda em qualquer lugar

A grande estrela da conferência da LG, durante a CES 2017, foi a nova LG Signature – OLED TV W, uma Smart TV com espessura de apenas 2.57mm e que, de tão fina, pode ser pendurada na parede usando ímãs. O modelo, que pertence ao segmento “premium”, usa o sistema webOS e promete tons escuros mais precisos e cores mais nítidas – segundo a fabricante. A OLED TV W entra em pré-venda nos Estados Unidos a partir desta quinta-feira (5).

Fonte:  TechTudo


Cai pela 1ª vez no Brasil o acesso à internet por meio de computador, diz IBGE

Caiu pela primeira vez no Brasil o número de domicílios que utilizam microcomputador para acesso à internet. A queda foi de 2,4%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O dado é de 2015 e faz parte do suplemento de Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), divulgado nesta quinta-feira (22). Segundo a pesquisa, caiu de 28,2 milhões para 27,5 milhões o número de domicílios com acesso à internet por meio de PC.

Em termos percentuais, o acesso domiciliar à internet por meio de microcomputador caiu de 76,6% em 2014 para 70,1% em 2015.

Segundo o IBGE, em 2014 já havia ocorrido a redução da proporção de domicílios com acesso à internet por meio de microcomputador. Porém, o número absoluto de domicílios que tinham acesso à internet por meio deste tipo de equipamento ainda havia aumentado.

Ao mesmo tempo em que caiu o acesso à internet por meio de microcomputador, o acesso por meio de outros equipamentos cresceu 36,8% entre 2014 e 2015, passando de 8,6 milhões para 11,8 milhões. Este aumento, porém, foi mais modesto que o observado entre 2013 e 2014, quando foi de 137,7%.

“Quando a gente abre estes dados pelas grandes regiões, até 2014 nas regiões Sul e Sudeste ainda era superior o acesso por microcomputador. Em 2015 isso se reverte e a proporção passa a ser maior com o acesso por meio de outros aparelhos. As demais regiões já tinham feito essa reversão em 2014”, destacou a analista do IBGE Helena Oliveira.

Na divulgação dos dados gerais da Pnad de 2015, ocorrida em novembro passado, o IBGE já havia apontado que o número de casas com computador havia caído pela primeira vez no Brasil, passando de 32,5 milhões para 31,4 milhões entre 2014 e 2015 (-3,4%).

Esta queda, segundo o IBGE, se deve justamente ao aumento no número de outros equipamentos com acesso à internet, como celulares e tablets.

O celular respondeu, em 2015, por 92,1% do acesso domiciliar à internet – um aumento de 11,7 pontos percentuais em relação ao ano anterior. Já o acesso por meio de tablete registrou queda de 0,8 p.p., correspondendo a 21,1% do acesso domiciliar. O acesso por meio da televisão correspondeu a 7,5% do total de acessos (aumento de 2,6 p.p.).

Fonte: G1


WhatsApp finalmente vai deixar você apagar mensagens já enviadas

whatsapp-android

É isso mesmo: finalmente, parece que o WhatsApp ouviu as preces de inúmeros usuários pelo mundo e vai permitir, em breve, que você apague mensagens enviadas para destinatários. Anteriormente, a mensagem era apagada apenas no próprio dispositivo de quem deletou a informação. Agora, beta testers já experimentam a função em que a mensagem é apagada “da conversa”, em ambos os dispositivos.

A nova função, de acordo com o WABetaInfo, também inclui a edição de mensagens enviadas. Isso significa que, se você escreveu algo errado, poderá editar a mensagem para arrumar o erro. Ainda, se mesmo assim não estiver satisfeito, dois toque sobre a mensagem vão oferecer a possibilidade de apagá-la da conversa.

“O “balãozinho” vai apresentar o seguinte texto:  Mandatário anulou a mensagem”

Essa nova função está presente no WhatsApp beta para iOS, versão 2.17.1.869. Contudo, se você está comemorando que vai apagar aquelas coisas feias que escreveu há um tempo, saiba que, quando o recurso chegar para o público em geral, a nova função vai funcionar apenas com mensagens, fotos e vídeos enviados após uma atualização — não será possível apagar mensagens antigas.

Como você pode ver no vídeo abaixo, assim que o usuário apaga a mensagem, o “balãozinho” apresenta o seguinte texto: “Sender revoke the message”, algo como “Mandatário anulou a mensagem”.

Fonte: TecMundo


WhatsApp vai parar de funcionar em celulares antigos; veja se o seu é afetado


Atenção: se você ainda usa um smartphone muito velho, você só tem mais um mês de acesso ao WhatsApp. O aplicativo só vai funcionar até o final de 2016 em aparelhos Android, iPhones e Windows que não são julgados novos o bastante para o aplicativo.

É importante notar que os modelos abandonados pelo WhatsApp são realmente velhos e que já praticamente já caíram em desuso. São modelos e sistemas operacionais que não receberam mais atualizações nos últimos cinco anos.

Os aparelhos que perderão o suporte no fim do ano são os seguintes:

  • Todos os Androids usando a versão 2.1 (Eclair) ou 2.2 (Froyo)
  • iPhone 3GS ou qualquer aparelho usando iOS 6
  • Qualquer aparelho com Windows Phone 7

O anúncio feito em fevereiro deste ano incluía também outros sistemas menos populares como BlackBerry OS, BlackBerry 10, Nokia S40 e Nokia Symbian S60. No entanto, a empresa decidiu estender o suporte a estas plataformas até a metade de 2017, mais precisamente até o dia 30 de junho.

“Esta foi uma decisão difícil de ser feita, porém foi a decisão certa para que pudéssemos oferecer as pessoas, melhores maneiras de manter contato com família, amigos e entes queridos utilizando o WhatsApp. Caso você utilize um destes aparelhos, nós recomendamos que troque por um aparelho Android, Apple ou Windows Phone mais atual antes do fim de 2016 para que possa continuar usando o WhatsApp”, diz a empresa.

Fonte: Olhar Digital – O futuro passa primeiro aqui


Alerta: golpe da videochamada afeta mais de 10 mil brasileiros no WhatsApp

A ESET, empresa de soluções para segurança da informação, descobriu algumas ameaças que usam a nova funcionalidade de videochamadas do WhatsApp para enganar os usuários. Por meio de páginas de internet falsas, cibercriminosos prometem “a nova funcionalidade atualizada”, mas tudo não passa de um scam: o usuário, caso caia no golpe, é inscrito em serviços de SMS Premium (pago).

De acordo com o alerta da ESET, em apenas 1 hora, os cibercriminosos conseguiram inscrever mais de 10 mil usuários do WhatsApp apenas no Brasil. Após clicar no link malicioso, recebido in app, a vítima é direcionada para um anúncio publicitário nomeado “última etapa”, no qual, ao clicar, solicita que uma mensagem de SMS seja enviada para um número Premium com um determinado texto. Dessa forma, a vítima é inscrita na serviço pago de SMS.

Imagem do golpe

O layout, segundo a empresa, simula a página oficial do WhatsApp, incluindo funcionalidades como escolha de idioma segundo a geolocalização do IP a partir de qualquer dispositivo conectado à internet.

“É importante destacar que não se trata de um vírus de WhatsApp, já que nenhum arquivo é executado. Também não verificamos evidências de que os sites fraudulentos estejam tentando explorar vulnerabilidades nos equipamentos conectados. O único objetivo é o ganho financeiro, com a inscrição no serviço de SMS Premium”, afirma Camillo Di Jorge, presidente da ESET Brasil. “Os cibercriminosos aproveitam lançamentos populares como esse para aplicar golpes que afetem o maior número de pessoas. Isso porque, na ânsia de acessar a nova funcionalidade, nem sempre os internautas checam a procedência do site e acabam fornecendo informações pessoais ou se inscrevendo em serviços não solicitados”, reforça o executivo.

Caiu no golpe? Saiba o que fazer

As dicas são as seguintes: primeiro, avise os seus contatos. Isso porque, provavelmente, o seu número vai começar a repassar o link malicioso. Depois, é necessário entrar em contato com a sua operadora celular pra checar quais serviços SMS o seu número está vinculado — e caso exista algo diferente, cancele.

Outras dicas importantes são: apenas baixe apps de lojas oficiais, desconfie de links de desconhecidos e acompanhe mais dicas de segurança em nossa página dedicada.

Fonte(s) ESET
Fonte:  TecMundo

Governo estaria tentando proibir emoji de vômito na sua página no Facebook

Se você visitar a página do Palácio do Planalto no Facebook, notará que uma parte considerável dos comentários recebidos nos posts faz parte de um protesto que parece coordenado.

Desde que assumiu a Presidência devido à queda de Dilma Rousseff, Michel Temer tem sido obrigado a conviver com o emoji de uma pessoa vomitando. Não importa o assunto, sempre haverá mensagens do tipo na postagem. É algo que virou tradição para uma parte das pessoas que seguem os canais oficiais do governo.

Mas pode ser que isso esteja para acabar, porque surgiu o rumor de que o Palácio do Planalto procurou o Facebook para tentar impedir os usuários de “vomitarem” na sua página. A informação vem de Lauro Jardim, um dos principais colunistas do jornal O Globo.

O próprio Jardim informa, entretanto, que a rede social ainda não conta com um sistema capaz de bloquear o uso de um determinado emoji nas páginas. “Por enquanto”, explica, “só sabe como cortar repetições de texto.”

Fonte: Olhar Digital – O futuro passa primeiro aqui


WhatsApp libera chamada de vídeo a todos os usuários; saiba usar

Depois de quase um mês testando o recurso, o WhatsApp está liberando as videochamadas para todos os usuários, em todos os sistemas operacionais. “Dentro dos próximos dias, mais de um bilhão de usuários do WhatsApp poderão fazer chamadas de vídeo nas plataformas Android, iPhone e Windows Phone”, diz texto publicado no blog da empresa. Ou seja, a novidade está chegando gradualmente.

Para fazer as chamadas com vídeo, é preciso ir na aba chamadas, ir em contatos, selecionar o amigo com quem deseja falar e apertar o ícone em formato de filmadora. Durante a chamada, é possível alternar entre as câmeras frontal e traseira e silenciar a chamada.

O recurso só funciona se o contato em questão também já esteja com a nova versão do WhatsApp. Se não for o caso, a pessoa vai receber uma mensagem de erro: “Chamada não completada. Não foi possível realizar a chamada. O usuário precisa atualizar o WhatsApp para receber chamadas de vídeo”.

“Nosso objetivo é de que este recurso esteja disponível indiscriminadamente para todos, e não somente para aquelas pessoas que podem comprar aparelhos mais caros ou que residam em um país com excelente serviço de cobertura de telefonia celular”, completa o WhatsApp. (Correio)


Ladrão rouba Galaxy Note 7, mas dispositivo explode logo depois

A Samsung ainda não descobriu o que está causando as explosões do Galaxy Note 7. Enquanto isso, o problema continua acontecendo em diversos locais do mundo onde ele é vendido. Nesta semana, na China, um ladrão roubou uma unidade do dispositivo, mas não conseguiu usufruir de seu crime.

Segundo o ladrão, enquanto o dono tirava uma soneca em um café em Anhui, uma província chinesa, ele decidiu realizar a façanha. Pouco depois, porém, o Note 7 explodiu, deixando o homem com um monte de material queimado.

A polícia conseguiu recuperar os restos derretidos do smartphone. O homem que cometeu o crime, no entanto, não foi encontrado.

Fonte: Olhar Digital